Pular para o conteúdo principal

OM,O SOM UNIVERSAL


OM, o som universal

O OM é celebrado em diversas filosofias e religiões, mas principalmente na filosofia hindu, da qual se originou. É considerado o corpo de Brahman, o Ser Absoluto, a partir do qual todo o universo se forma. Por essa origem divina e essencial, esse mantra sagrado figura como o começo, o meio e o fim, como o som que deu origem à criação do universo manifestado (prakriti), que é responsável por seu desenvolvimento e que causa também sua dissolução.


O SOM DO SER UNIVERSAL


Dentro do hinduísmo, o OM é uma sílaba mais sagrada, é, por ser o símbolo de Brahman, , está ligado ao Yoga e ao objetivo de realização pessoal, exatamente por ser um veículo direto do Ser Universal, da criação do universo e da consciência pura. Como símbolo universal do Yoga, é citado nos shástras do hinduísmo como o “absoluto sonoro”, ou seja, um som ou uma vibração que representa o universo como uma totalidade, onde não há distinções em partes individuais como nossa percepção usual indica, estando associado à percepção do yogi de novos estados de consciência.

Existem muitas formas de se referir a esse mantra, ao seu som e à sua forma, conforme ele seja proferido (pránava), grafado (omkára), visto ou imaginado, tamanha é sua importância. Essa simples sílaba, que mais parece um murmurar, carrega em si todo o conhecimento dos Vedas, o poder sobre a matéria, a consciência do espaço e do tempo, do presente, do passado e do futuro. É usado no começo da meditação, no começo e no final de uma oração, durante a prática do Yoga, de fato em todos os momentos em que o pensamento de Brahman impregna um ser.

Pránava é também o Bíja-mantra, ou som semente, do Ájña Chakra, o centro de energia que é responsável pela meditação, pelo intelecto, pela vida espiritual, pela evolução do ser humano e canal de conexão com o Brahman. Ao proferir o OM você estimula todos os processos que levam ao estado de meditação (dhyána).



om-o-som-universal-mantra-meditacao-yoga-hinduismo-vedas-nosso-blog-imagem-1.jpg


A SÍLABA SAGRADA AUM


Swami Vivekananda, em seu livro "Bhakti Yoga", define o OM como sendo a síntese de Brahman e de toda a criação: “... o OM apenas; porque essas três letras (A U M), pronunciadas em combinação como OM, podem muito bem ser o símbolo generalizado de todos os sons possíveis. A letra A é o mais conhecido dos sons, por isso Krishna diz no Gitá: ‘Eu sou o A entre as letras’. Todos os sons articulados são produzidos no espaço dentro da boca, começando na raiz da língua e terminando nos lábios – o som da garganta é A, e M é um som produzido nos lábios, o U representa o ralar do impulso que começa na garganta e termina nos lábios. Se pronunciado corretamente, o OM representa todo o fenômeno da produção do som, e nenhuma outra palavra pode fazer isso; este é, então, o melhor símbolo para Sphota, que é o real significado do OM. E como o símbolo nunca pode ser separado de seu significado, o OM e Sphota são um. E por Sphota ser o lado mais puro do universo manifestado, está mais próximo de Deus, e sendo, na verdade, a primeira manifestação do conhecimento sagrado, esse OM é verdadeiramente um símbolo divino."

Outra forma de entender a combinação de letra coloca a letra A, o começo como sendo a representação de Brahma e da criação do universo. A letra U é a representação de Vishnu, a divindade do equilíbrio e da manutenção do universo. A letra M representa Shiva, ou a parte final do ciclo da existência, seja como representação do fim da vida natural ou como fim da existência sensorial por meio do controle conquistado pelo yogi por meio da meditação.

Uma vez liberto dos pares de opostos que são impostos ao ser por intermédio dos sentidos, o yogi conhece a verdade. Os sentidos são limitados e imprecisos, o Ser é eterno e ilimitado.

Na tradição do Yoga, a meditação no som do OM leva à realização do sutil, ao encontro da realidade absoluta. A realização da meditação pode ser por meio de sua mentalização, chamada também de manasika mantra ou mantra mental; acontece também mediante a visualização de sua forma, como yantra ou objeto de concentração; ou ainda por meio da simples repetição ou japa do mantra OM.




om-o-som-universal-mantra-meditacao-yoga-hinduismo-vedas-nosso-blog-imagem-2.jpg



VOCALIZAÇÃO DO MANTRA


Existem muitas formas de vocalizar o mantra OM ou pranu, como é chamada sua pronúncia, que ajudam o praticante a transformar a energia mais grosseira em energia sutil. Por exemplo:



1 - OM, OM, OM, OM, OM, OM, OM

Repetido inúmeras vezes quase sem espaço entre uma emissão sonora e outra. Considerado mais grosseiro por não ser completo, não possui espaço para o silêncio, antítese do som e seu complemento perfeito.



2 - OOM, OOM, OOM, OOM, OOM

 Repetido com uma pequena pausa, alongando a sílaba – eliminando a pressa, acalmando a mente. Essa forma de execução do mantra permite uma concentração maior.



3 - OM__OM__OM__OM__ OM

Repetido com um silêncio de mesma duração da emissão do som entre os mantras – equilibra o som e o silêncio, a mente já está calma e não tem ansiedade ou pressa. Dessa forma, a concentração passa a ser uma vivência do espaço interior.



4 - OOOOOOOOOOOMMMMMMMM

Contínuo, como uma onda, que deve ser sentida e vivida, o som ocorre como decorrência de uma utilização mais sutil da energia e o consequente mergulho em níveis mais profundos, sem oscilações, da consciência.



Fonte: O Livro de Ouro do Yoga, André de Rose, Ediouro



O vídeo traz o mantra OM numa repetição (japa) de 108 vezes para sua meditação:






Fonte:https//www.comprazen.com.br/blog/1/222/om-o-som-universal-mantra-meditacao-yoga-hinduismo-vedas-nosso-blog

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÚSICA ANDINA : A ALMA MUSICAL DOS ANDES

Música andina é um termo que se aplica a uma vasta gama de gêneros músicas originados na Cordilheira dos Andes, aproximadamente na área dominada pelos incas antes do contato europeu. Esta área inclui integramente a Bolívia, norte do Chile, norte da Argentina, serras do Equador e o sul do Peru.
É tocada com uma gama variada de instrumentos nativos. Em algumas regiões e países, caracteriza-se pela interpretação com instrumentos como a flauta de pã, a quena, o charango e o tambor. Em outros lugares, os instrumentos básicos são o requinto (espécie de cavaquinho com altas notas melódicas), o violão, o triplo (espécie de violão com notas agudas), e a bandola. Entre os artistas mais destacados desse estilo musical regional são incluidos os grupos bolivianos, peruanos e chilenos como Los Kjarkas, Savia Andina, Alborada, Illapu e Inti-Illimani.

A flauta de pã ou flauta de pan é um instrumento musicalsul americano, e o nome genérico dado a instrumentos musicais constituídos por um conjunto de tub…

CANTO GREGORIANO - A MAIS ANTIGA MANIFESTAÇÃO MUSICAL DO OCIDENTE

Canto Gregoriano, ou Cantochão, é o nome que se dá à música monofônica, de apenas uma melodia, sem acompanhamento. Seu nome deriva do papa Gregório I, que comandou a igreja entre 590 e 604. Gregório I empreendeu uma reforma na igreja e passou a implementar este tipo de canto nas celebrações religiosas.

HISTÓRIA DO CANTO GREGORIANO

O canto gregoriano é a mais antiga manifestação musical do Ocidente e tem suas raízes nos cantos das antigas sinagogas, desde os tempos de Jesus Cristo. Os primeiros cristãos e discípulos de Cristo foram judeus convertidos que, perseverantes na oração, continuaram a cantar os salmos e cânticos do Antigo Testamento como estavam acostumados, embora com outro sentido, à medida que os não judeus gregos e romanos foram também se tornando cristãos, elementos da música e da cultura greco-franco-romana foram sendo acrescentados às canções judaicas.
O período de formação do canto gregoriano vai dos séculos I ao VI, atingindo o seu auge nos séculos VII e VIII, quando fo…

VIOLINO : A POESIA E O SOM DIVINO

SOM DIVINO
Ligi@Tomarchio®





Alameda passa...

Meus olhos sombreados
deliciam-se com o verde
e raios chamam
minh'alma encantada.

Violinos traduzem
em notas musicais as cores do céu...

Na terra, o pulsar...Corações apaixonados
entoados pela música divina
afinando os laços
que nos unem à vida.



* * * SUBLIME MELODIA
Elio Mollo
O espiritual e o material interagem
formando o grande astral
segundo a lei da afinidade
onde Amor é celebridade. Só se firma a sociedade
com a solidariedade
Isto sim, produz
A verdadeira liberdade.
Dessa forma o Amor
ordena toda a Humanidade. No Universo tudo se concatena
do mais simples ao mais complexo
do inculto ao mais sábio
do elementar até o arcanjo.
Seguindo todos numa evolução. Cada ser em seu apogeu
não sofre substituição
mas é sempre sucedido
numa boa diposição Cada ente tem sua nota
do, ré, mi, fá, sol, lá ou si
que o Amor ordena
numa oitava abaixo
ou em uma oitava acima
formando um acorde magistral
numa seqüência fundamental
fazendo soar
a sublime melodia universal. * * * CANTO À VIDAMarcial Sala…