Pular para o conteúdo principal

CANTO GREGORIANO - A MAIS ANTIGA MANIFESTAÇÃO MUSICAL DO OCIDENTE





Canto Gregoriano, ou Cantochão, é o nome que se dá à música monofônica, de apenas uma melodia, sem acompanhamento. Seu nome deriva do papa Gregório I, que comandou a igreja entre 590 e 604. Gregório I empreendeu uma reforma na igreja e passou a implementar este tipo de canto nas celebrações religiosas.

HISTÓRIA DO CANTO GREGORIANO

O canto gregoriano é a mais antiga manifestação musical do Ocidente e tem suas raízes nos cantos das antigas sinagogas, desde os tempos de Jesus Cristo. Os primeiros cristãos e discípulos de Cristo foram judeus convertidos que, perseverantes na oração, continuaram a cantar os salmos e cânticos do Antigo Testamento como estavam acostumados, embora com outro sentido, à medida que os não judeus gregos e romanos foram também se tornando cristãos, elementos da música e da cultura greco-franco-romana foram sendo acrescentados às canções judaicas.

O período de formação do canto gregoriano vai dos séculos I ao VI, atingindo o seu auge nos séculos VII e VIII, quando foram feitas as mais lindas composições e, finalmente, nos séculos IX, X e XI, princípio da Idade Média; começa, então, sua decadência. Seu nome é uma homenagem ao papa Gregório Magno (540-604) - veja o vídeo - que fez uma coletânea de peças, publicando-as em dois livros: o Antifonário, conjunto de melodias referentes às Horas Canônicas, e o Gradual Romano, contendo os cantos da Santa Missa. Ele também iniciou a "Schola Cantorum" que deu grande desenvolvimento ao canto gregoriano.

A partir da iniciativa de dom Mocquereau, no final do século XIX, o Mosteiro de São Pedro de Solesmes, na França, passou a ser o grande centro de estudos e prática do canto gregoriano. Seus monges, na época, deram início a um trabalho de paleografia (estudo dos manuscritos antigos) de canto gregoriano e de recuperação dos sinais escritos nos séculos VIII e IX.

Depois, surge a semiologia gregoriana, que é a interpretação dos sinais, com uma volta à fonte, estabelecendo uma interpretação mais autêntica do canto gregoriano; entre outros sobressai nesse trabalho dom Eugène Cardine, OSB.
No começo do século XX, o papa Pio X pede aos monges beneditinos para fazerem uma edição moderna à luz dos manuscritos, surgindo então a Edição Vaticana e em 1985 foi lançada uma outra edição chamada "Graduale Triplex" (Gradual Tríplice) com as três notações do canto gregoriano: a Vaticana, a de Laon (França) e a de Saint Gaal (Suíça).

Após a realização do Concílio Vaticano II (1965), o latim deixou de ser a língua oficial na liturgia da Igreja, e as celebrações litúrgicas passaram a ser realizadas na língua vernácula de cada país e a prática do canto gregoriano ficou restrita aos mosteiros e a grupos de admiradores e aficionados da beleza desta "palavra-cantada".

As principais características do canto gregoriano, também conhecido como canto chão, são: as melodias são cantadas em uníssono (monódico), sem predominância de vozes, ou seja, rigorosamente homofônico; de ritmo livre, sem compasso, baseado apenas na acentuação e no fraseado; cantado "a capella", isto é, sem acompanhamento de instrumentos musicais e suas letras são em latim, tiradas, em sua grande maioria, dos textos bíblicos, sobretudo os salmos.

Em 1994 houve um "renascimento" do canto gregoriano quando foi lançado pela EMI, em CD, um disco que havia sido gravado há mais de 20 anos pelos monges do Mosteiro de Santo Domingo de Silos, norte da Espanha – o disco alcançou o primeiro lugar em vendas em vários países, atingindo a marca de 5 milhões de cópias vendidas.


Conheça nestes vídeos um pouco da história do Mosteiro de Solesmes:



Veja, também, estes vídeos:História de los cantos gregorianos 1/2 - História de los cantos gregorianos 2/2

O conjunto alemão
Enigma que gravou o disco MCMXC A.D. com músicas de rock (Sadness e outras) em estilo gregoriano e fez bastante sucesso em todo o mundo, além de outros grupos que lançaram os CDs: The Ultimate Compilation – Real Sadness & Other Gregorian Mysteries; Gregorian Dance e o Chantmania, gravado pelo The Benzedrine Monks of Santo Domonica.

Recentemente surgiram outros dois ótimos grupos que também lançaram músicas de rock em estilo gregoriano: The sound of silence, Tears in heaven, In the air tonight, Eden (Sarah Brightman), When a man loves a woman e outras. Vale a pena conhecê-los e visitar a página deles: Masters of Chant e Lesiëm
Você pode ouvir o canto gregoriano, inclusive o CD Rorate do Coral Gregoriano de Belo Horizonte, e músicas sacras na Radio Set.

Partitura do Constitues, do Graduale Triplex
Partitura do Constitues, do Graduale Triplex

Fonte:http://gregoriano.org.br/gregoriano/historiacantogregoriano.htm

O canto gregoriano é um gênero de música vocal monofônica, monódica (só uma melodia), não acompanhada, ou acompanhada apenas pela repetição da voz principal com o organum, com o ritmo livre e não medido, utilizada pelo ritual da liturgia católica romana, a idéia central do cantochão ocidental.[1]
As características foram herdadas dos salmos judaicos, assim como dos modos (ou escalas, mais modernamente) gregos, que no século VI foram selecionados e adaptados por Gregório Magno para serem utilizados nas celebrações religiosas da Igreja Católica.
Somente este tipo de prática musical podia ser utilizada na liturgia ou outros ofícios católicos. Só nos finais da Idade Média é que a polifonia (harmonia obtida com mais de uma linha melódica em contraponto) começa a ser introduzida nos ofícios da cristandade de então, e a coexistir com a prática do canto gregoriano.[2]

Importância do texto


Papa Gregório I, o qual implementou o canto que leva seu nome no ritual cristão.

Desde seu surgimento que a música cristã foi uma oração cantada, que devia realizar-se não de forma puramente material, mas com devoção ou, como dizia Paulo (Apóstolo): "cantando a Deus em vosso coração". O texto era, pois, a razão de ser do Canto Gregoriano. Na verdade, o canto do texto se baseia no princípio - segundo Santo Agostinho - de que "quem canta ora duas vezes".
O canto Gregoriano jamais poderá ser entendido sem o texto, o qual tem primazia sobre a melodia, e é quem dá sentido a esta. Por isso, ao interpretá-lo, os cantores devem haver compreendido bem o sentido dele. Em conseqüência, deve-se evitar qualquer impostação de voz de tipo operístico, em que se busca o destaque do intérprete.
Deste canto procedem os modos gregorianos, que dão base à música ocidental. Deles vêm os modos maior (jônio) e menor (eólico), e outros cinco, menos conhecidos (dórico, frígio, lídio, mixolídio e lócrio).


Uma "partitura" para canto gregoriano

Referências

  1. Canto gregoriano - Sitio do Vaticano
  2. Antífonas do Ó: O antigo e o novo na oração liturgica do advento. - São Paulo: Paulinas, 1997. ISBN 85-356-0021-3

 Ligações externas

Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Canto_gregoriano


Postagens mais visitadas deste blog

GREGORIAN : CANTO GREGORIANO INSPIRADO EM VERSÕES MODERNAS DE MÚSICAS

Gregorian é um projeto musical alemão liderado por Frank Peterson cantando cantos gregorianos inspirados em versões modernas das músicas dos anos 60, 70, 80, 90 e 2000, tornando-a mística e mais apreciada pelo gosto comum. O 'brilho' vocal de 8 vozes melodiosas, combinadas com imagens gravadas em ambiente de cunho religioso, dão o resultado que vemos em seus videos ou espectáculos ao vivo imemoráveis.
Originalmente, Gregorian foi considerado como mais um grupo pop-oriental no estilo de Enigma. Em 1998, Peterson e seu pessoal reinventaram o projecto para transformar sons populares em estilos gregorianos, tornando excelso aquilo que seria mais 'profano'.
Os membros do grupo do coro são: Richard Naxton , Johnny Clucas , Dan Hoadley , Chris Tickner , Richard Collier , Gerry O'Beime, Lawrence White e Rob Fardell.


Gregorian é um projeto musical alemão, liderado por Frank Peterson, cantando cantos gregorianos inspirados em versões modernas das músicas pop e rock

DEVA PREMAL E MITEN - ANTIGOS MANTRAS SÂNSCRITOS INDIANOS EM CONTEMPORÂNEA ATMOSFERA

Deva Premal e Miten




Deva Premal em contraste com o estilo de vida rock'n'roll de Miten criada em uma atmosfera de mantra e disciplina espiritual.
Nascida na Alemanha em 1970 de um artista místico pai / mãe e um talento musical, ela aprendeu violino, piano e recebeu treinamento de voz.


Na época, ela tinha cinco anos, ela já estava cantando o Gayatri Mantra diáriamente, e desde então ela continua a integrar a meditação em sua vida.
Ela estudou Shiatsu, Reflexologia, Massagem e Terapia craniossacral, mas a música continua a ser seu primeiro amor.


Meu pai foi no caminho espiritual desde os anos 50, estudando Yoga, escrituras e quaisquer livros estavam disponíveis na época, tornando-se sua disciplina diária para meditar todos os dias entre 3 e 5 da manhã", diz ela.
"Quando eu estava crescendo, ele desenvolveu exercícios para minha irmã e eu, para nos ajudar a nos tornar mais consciente do momento.
Quando criança, ela estudou violino e piano, mas parou até que ela conheceu Mite…